SANTO ANTÔNIO: O RIO COLORIDO DA CHAPADA DIAMANTINA

Publicado: 05/07/2016 em Regional
Poço Verde (ou da Mãe D'água) - Rio Santo Antônio

Poço Verde (ou da Mãe D’água) – Rio Santo Antônio

Quem vai à Chapada Diamantina muitas vezes se engana ao achar que seus atrativos se resumem à área do Parque Nacional. Em um trabalho para o Grupo Ambientalista da Bahia – Gambá, em 2006, do qual o proprietário deste blog fez parte, em um raio de 10km ao redor do Parque Nacional, foram identificados dezenas de atrativos turísticos selvagens e culturais, vendidos e não, durante 2 meses ininterruptos em campo sem repetir nenhum atrativo. Assim dá para se saber que, se um visitante quiser conhecer todos os atrativos da Chapada Diamantina, terá que reservar mais do que este tempo.

Um bom exemplo é o rio Santo Antônio, que começa a ser chamado assim a partir do encontro do rio Preto que nasce no Parque Nacional e atravessa a cidade de Palmeiras, com o rio da Pratinha, que nasce no município de Iraquara. Após este encontro ele percorre o vale do Cercado, e depois de atravessá-lo, recebe as águas dos rios Mucugezinho, Utinga, Lençóis, São José, etc, e forma o pantanal do Marimbus entre Lençóis e Andaraí, desembocando no rio Paraguaçu, auxiliando-o a abastecer, com mais segurança, 60% da Região Metropolitana de Salvador.

Quando a estação turística é alta na Chapada Diamantina, há alguns recantos ainda vazios de público, como os atrativos do alto trecho do rio Santo Antônio, localizados na APA Estadual Marimbus-Iraquara, fora do Parque Nacional da Chapada Diamantina. Ao contrário das águas escuras da maior parte da Chapada Diamantina devido ao tanino das plantas e ao óxido de ferro presente nas rochas, o rio Santo Antônio contém multicores em locais diferenciados, a depender da localização e da quantidade de águas em determinado período climático.

Quando o rio Preto não consegue encontrar o rio da Pratinha devido à degradação histórica em seu leito e a possível alteração climática na região, diminuindo suas águas, e como o Pratinha mantém a sua perenidade, há um grande volume de água de diversas cores no Santo Antônio. Como exemplo, podemos verificar o azul das águas da Fazenda Pratinha, onde nasce o rio Pratinha, e o verde do Poço Verde, também conhecido como Poço da Mãe D’água.

Dentre os atrativos do alto Santo Antônio, somente os da Fazenda Pratinha tem alta visitação, com infraestrutura já montada. Seus atrativos são altamente vendidos e explorados. Ao sair da Fazenda Pratinha, todos os atrativos vendidos e não no alto trecho do Santo Antônio são raramente usados. Um dos motivos é a distância que se percorre para se chegar a estes atrativos, direcionando-o a um público que não se importa em desfrutar somente de uma cachoeira no dia. Outro motivo é que parte dos acessos a estes atrativos estão sendo fechados por proprietários, prejudicando o uso de servidão tradicional e a visitação.

O rio Santo Antônio, dentre os 10 principais afluentes do rio Paraguaçu, é um dos mais preservados, segundo mapeamento do uso e ocupação do solo do Projeto Semeando Águas no Paraguaçu, mantendo ainda significativa cobertura vegetal em suas margens. Contém ainda, em seu alto trecho, uma diversidade de formações rochosas, em um ambiente que começa na caatinga com seu rico solo e continua no cerrado, com suas lindas flores. Surpresa ainda é encontrar uma pequena comunidade de agricultores familiares no vale do Cercado: o Sitio do Meio.

Vale à pena conhecer!

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s